msdm a nomadic house-studio-gallery for photographic art and curatorial research, an expanded practice of the artist's book, photobook publishing and peer-to-peer collaboration created by contemporary artist paula roush




THE BOOK DISPERSED

TITLE PROJECT: The Book Dispersed
CURATORS: 
Media Instáveis/ Unstable Media
[margarida carvalho, ana carvalho,
sofia ponte, paula roush]
MEDIUM:
Exhibition of artist's publications 
across  two separate spaces, at
Casa das Artes a relational space
for publishing  as social experience,
and at Sput&Nik The Window a
poetic experience of the book.
GALLERIES:  Casa das Artes 
+ Sput&Nik the Window
Porto, Portugal
DATES: Sept 24 -Oct 28, 2017

ABOUT THE PROJECT
The Book Dispersed is a relational space
for practitioners to come together, read,
think and discussa highly significant
aspect of contemporary visual culture,
ie the rich and diverse methods
found in books produced by artists.

The book The Beauties of DECOMPOSITION
co-created by paula roush and Michael
Hampton, provides a meta-text 
for the exhibitions.  

With: 
Beatriz Albuquerque
Patrícia Almeida &
David-Alexandre Guéniot
Ana Alvim
Isabel Baraona
Ricardo Basbaum
Stanislav Brisa
Jessica Brouder
Catarina F. Cardoso
Isabel Carvalho
Paulo Catrica
André Cepeda
João Paulo Serafim
Margarida Correia
Renato Ferrão &
Susana Gaudêncio
Julie Cook
Inês M. Ferreira
Os Espacialistas
Ana Fonseca
Lara Gonzalez
Dejan Habicht
Michael Hampton
Teresa Huertas
Andrea Inocêncio
Calum F. Kerr
Sharon Kivland


Sharon Kivland
Tanja Lažetić
Catarina Leitão
Ana Madureira
Fernando Marante
Daniela de Moraes
Eugénia Mussa
Eva-Maria Offermann
Andreia Alves de Oliveira
José Oliveira
Susana Paiva
Tadej Pogacar
Pedro Proença
Carla Rebelo
Eduardo Sousa Ribeiro
Mireille Ribière
Sara Rocio
paula roush
Ana João Romana &
Susana Anágua
paula roush
Manuela São Simão
Ana Santos
Kim Svensson
Francisco Tomsich
Francisco Varela
Rodrigo Vilhena
Emmanuelle Waeckerle
Gillian Wylde.

The Book Dispersed exhibition, Casa das Artes Porto
Exposição O LIvro Disperso, Casa das Artes Porto
LD-sput&nik-12
The Book Dispersed, exhibtion view, Sput&Nik the Window, Porto
LD-casa-artes-6
Exposição O LIvro Disperso, Casa das Artes Porto
LD-sput&nik-17
The Book Dispersed, exhibtion view, Sput&Nik the Window, Porto
 The Book Dispersed exhibition, Casa das Artes Porto
The Book Dispersed, exhibition view Casa das Artes Porto
 The Book Dispersed exhibition, Casa das Artes Porto
The Book Dispersed, exhibition view Casa das Artes Porto
The Book Dispersed exhibition, Casa das Artes Porto
REPRODUCTIONS I Domobaal editions (2012) REPRODUCTIONS III Domobaal editions (2013) Sharon Kivland
ld-casa-artes-36
East London Stripper Collective (2014-17) Julie Cook

 The Book Dispersed is a space for practitioners to come together, read, think and discuss a highly significant aspect of contemporary visual culture, ie the rich and diverse methods found in books produced by artists.

In the 1960s and 1970s the artists’ book came to be seen as an alternative, democratic platform largely free from commercial and/or institutional control, which could be accessed in the
private sphere. With the rapid development of digital
technology and the consequent rise of the internet one might
have expected the book to have become less relevant as an
artistic medium, yet this has not come to pass. That digital technology has made it
easier and less costly for artists to produce and distribute
their work worldwide is certainly a contributing factor, but
given its creative potential, couldn’t the artists’ book also
provide avformat that not only challenges exhibition norms,
but actually expands their horizons?

In this exhibition we engage with an audience interested in publishing as an artistic practice, emphasizing the complexity of the historical moment. The exhibition is inspired in the concept of the ‘dispersed museum’ proposed by Charles Esche, a curator who understands that one of the greatest challenges in art museums today is not only to show the culture that existed in a certain era but to intervene in the public sphere in a more meaningful way, encouraging, for example, the development of artistic practices that wish to establish a position for the future.

In a way, the exhibition The Book Dispersed hopes to contribute to the construction of an idea of contemporary art more synchronous with current concerns, proposing ways to circulate critical ideas that potentiate the interruption of the current logic of the more conventional art spaces. For this, through the possibilities of the fluidity of the arts and under an exploratory perspective of the artistic practices engaged with the text and the artists’ publications, we invited a group of artists to contribute with their work to the project. We assembled the works in two art spaces in the city of Porto with the aim to create a collective space to read, think and debate a remarkable aspect of contemporary visual culture: the rich and diverse practices evident in publications produced by artists.

Thus, we built a relational space at Casa das Artes that created a space for publishing to be experienced as a social experience, removing the artistic work from its protective frame of uniqueness; and at Sput&Nik The Window we showed works that require a different encounter with the public, open to another type of poetic experience.

List of all the book works, bilingual portuguese and english [pdf, 388k ]

Self-reflective text about the project by Unstable Media:
Unstable Media, constructions and disruptions, Portuguese Small Press Yearbook 2017]


 

 

LD-sput&nik-16
Take Away Manifestos (1994) Ricardo Basbaum Sheets of colored A4 paper and 4 acrylic boxes
LD-sput&nik-11
back Take Away Manifestos (1994) Ricardo Basbaum Folhas de papel colorido A4 e 4 caixas de acrílico front Pimping my Ride (2017) Eugénia Mussa 54 x 4,3 x 40,5 cm cada Esmalte s/papel Duas folhas brancas colocadas lado a lado a 4 cm de distância. "Esta peça gira em torno da velha discussão sobre o valor das coisas, neste caso das obras, e como (entre outros factores) este é afectado pela qualidade de durabilidade dos materiais." Eugénia Mussa

Take Away Manifestos (1994)
Ricardo Basbaum
EN
Sheets of colored A4 paper and 4 acrylic boxes “When you arrive at the site you will see four boxes, of different colors. The boxes may be scattered around the space, in different places, making you go through the work of other artists until you reach them; or they can be side by side, forming a single object. From inside each of them you will take a sheet of paper, with the same shade as the boxes, where a short, succinct, fast, compact phrase is printed. As the title says, these manifests are to be collected and taken home. ” Ricardo Basbaum.
PT
Folhas de papel colorido A4 e 4 caixas
de acrílico
“Ao chegar ao local você verá quatro caixas, de cores diferentes. As caixas podem estar espalhadas pelo espaço, em lugares diversos, fazendo com que você passe por trabalhos de outros artistas até chegar até elas; ou podem estar lado a lado, formando como que um objeto único. De dentro de
cada uma delas você irá retirar uma folha de papel, com a mesma tonalidade das caixas, onde está impressa uma frase curta, sucinta, rápida, compacta.
Como o próprio título diz, estes manifestos são para serem coletados e levados para casa.”
Ricardo Basbaum.

 The Book Dispersed exhibition, Casa das Artes Porto
REPRODUCTIONS I Domobaal editions (2012) REPRODUCTIONS III Domobaal editions (2013) Sharon Kivland
The Book Dispersed exhibition, Casa das Artes Porto
REPRODUCTIONS I Domobaal editions (2012) REPRODUCTIONS III Domobaal editions (2013) Sharon Kivland

REPRODUCTIONS I
Domobaal editions (2012)
Sharon Kivland

REPRODUCTIONS I
55 x 34 x 6 cm (Caixa de arquivo)
21 x 29.7 cm (Interior)
Impressão a laser a partir de desenho original
Edição limitada de livros produzidos a partir da extensa
coleção de postais da artista e outro material efêmero.

REPRODUCTIONS 1
Reproductions 1 consists of a series of thirteen books, in an
edition of 100, in a stapled 26×20cm format,printed on
120 gsm Munken paper with a sewn/stapled cover with
between twelve and twenty–four pages each
which draws on Kivland’s extensive and particular
collection of printed ephemera and postcards,
classed thematically according to the whim of the
artist (see below).

Frères et Sœurs
Communiants et Communiantes
Pierrots et Pierrettes
Nus exotiques
Les Chiens des Pyrenées
Les Chalets Suisses ISBN
Les Amants Modernes
La Neige sur les montagnes
Les Reflets
Femmes et roses
Les Cascades
Les Fontaines
Messages de lointain

 

REPRODUCTIONS III
Domobaal editions (2013)
Sharon Kivland 15 x 19 cm

Série de 13 livros
Edição de 50 exemplares
Cada livro, entre 16 e 36 páginas
Impresso em papel 120 gsm Munken com capa cosida / agrafada.

Edição limitada de livros produzidos a partir da extensa coleção de postais da artista e outro material efêmero.

REPRODUCTIONS 2 Du Monde/Of the World If you will forgive a perhaps grandiose notion, the artist has been thinking about Maurice Merleau–Ponty’s account of vision and visibility (that we are looked at, in the spectacle of the world), and Jacques Lacan's commentary thereon (that the world is not exhibitionistic, it does not provoke our gaze, but when it does, the feeling of strangeness begins). But enough of that! There are thirteen books in the series limited to an edition of 50 each. Each book, between 16 and 36 pages, draws on the artist's collections of postcards, magazines, cuttings, and other printed ephemera, in another attempt to organise, catalogue, and archive. There is little text, apart from the title and usual colophon material. The books are black and white, printed on an ivory 120gsm Munken paper, stapled with a square spine, each: 19cm by 15cm.

Femmes du Monde (For a woman of the world is sophisticated, experienced in the ways and manners of society)
Amants du Monde (Si nous parlions un peu de l'amour – sujet à la mode toujours)
Œufs du Monde (On ne fait pas d'omelette sans casser des œufs) Hommes du Monde (L'homme du monde se distingue du commun des mortels par sa parfaite éducation, son élégance et ses talents de société – ou, tout au contraire, par son ambition, son extravagance et son charisme naturel)
Enfants du Monde (L'enfance a des manières de voir, de penser, de sentir qui lui sont propres; rien n'est moins sensé que d'y vouloir substituer les nôtres)
Arbres du Monde (Quand un arbre tombe, on l'entend, quand la forêt pousse, pas un bruit)
Danseurs du Monde (Quand tu veux danser, vois à qui tu donnes la main)
Enfants du Monde (L'enfance a des manières de voir, de penser, de sentir qui lui sont propres; rien n'est moins sensé que d'y vouloir substituer les nôtres)
Arbres du Monde (Quand un arbre tombe, on l'entend, quand la forêt pousse, pas un bruit)
Danseurs du Monde (Quand tu veux danser, vois à qui tu donnes la main)
Rosiéristes du Monde (De mémoire de rose, il n'y a qu'un jardinier au monde)
Arrangements Floraux du Monde (Le cœur le plus sensible à la beauté des fleurs est toujours le premier blessé par les épines)
Chats du Monde (Il faut appeler un chat un chat)
Philosophes du Monde (Se moquer de la philosophie, c’est vraiment philosopher)
Poissons du Monde (Il n'y a pas de poisson sans arête)
Femmes du Monde (encore) (La femme n'existe pas)

 The Book Dispersed exhibition, Casa das Artes Porto
Freedom Super Highly Charged (2016) Eva-Maria Offermann/ Fred Dewey (conceito) 59.4 x 84.1cm Série de 12 posters Tinta de jato sobre papel fotográfico
LD-sput&nik-15
Freedom Super Highly Charged (2016) Eva-Maria Offermann street installation

Freedom Super Highly Charged (2016)
Eva-Maria Offermann, Fred Dewey (conceito)
59.4 x 84.1cm Série de 12 posters
Tinta de jato sobre papel fotográfico
Os posters foram originalmente desenvolvidos em
colaboração com a General Public em Berlim.
TRADUÇÕES
01 – Hoje estamos fechados.
02 – Freedom, super highly charged.
03 – Quantas pessoas estão directamente
preocupadas das que usavam o espaço antes da
evacuação? 
04 – E o facto de que não estás chocado é chocante.
05 – Berlim foi ingénua, um recreio, maravilhoso
durante vinte anos, mas agora tens mesmo de
considerar com quem te relacionas.
06 – Hoje estamos fechados.
07 – Atingimos o ponto em que temos que mudar
alguma coisa. É o que eu realmente queria dizer.
08 – Todos os dos projectos ausentes estão mortos,
eles disseram.
09 – Alle der vermissten Projekträume sind tot, heißt es.
10 – Nós tinhamos um contracto de aluguer correcto.
Tinhamos opções para o futuro. Tinhamos tudo o
que desejavamos.
11 – Abertos, espaços indefinidos – Soa utópico..
12 – Wir hatten einen ordentlichen Mietvertrag.
Wir hatten Optionen auf Zukunft. Wir hatten alles,
was man sich wünscht.

Freedom Super Highly Charged (2016)
Eva-Maria Offermann & Fred Dewey (concept)
59.4 x 84.1cm Series of 12 posters
Ink on Photographic paper
The posters were originally developed in collaboration with General Public in Berlin.
TRANSLATIONS
01 - Today we are closed / We are closed today.
02 - Freedom, super highly charged.
03 - How many people are directly concerned
about those who used the space before the
evacuation? 
04 - And the fact that you are not shocked is shocking
05 - Berlin was naive, a playground, wonderful
for twenty years, but now you really have to
consider who you relate to.
06 - We are closed today.
07 - We have reached the point where we have to change
something. That's what I really want to say.
08 - All of the missing project spaces are
dead, they say .
09 - Alle der vermissten Projekträume
sind tot, heißt es.
10 -  We had a proper lease
agreement. We had options for the future. We had
everything  you could wish for.
11 -  Open, undefined spaces - this sounds utopian.
12 -  Wir hatten einen
ordentlichen Mietvertrag. Wir hatten Optionen auf
Zukunft. Wir hatten alles, was man sich wünscht.

LD-casa-artes-11
M.A.N.L.S (Europe / Revolution) (2017) Calum F. Kerr
The Book Dispersed exhibition, Casa das Artes Porto
M.A.N.L.S (Europe / Revolution) (2017) Calum F. Kerr

M.A.N.L.S (Europe / Revolution) (2017)
Calum F. Kerr
55 x 34 x 6 cm (Archive box)
21 x 29.7 cm (Interior)
Laser printing from original design

Instruction:
Remove a copy of Mário Soares' drawing. You can color it, add drawings or write messages. Ideally, his contribution should be related to his feelings and thoughts about "Europe" and the
concept of "Revolution". When finished, place the sheet in the
left tray. If you want to take the sheet with you, send a photo
of your intervention in the drawing to: europe.revolutionary@gmail.com
The final publication will be made up of the total contributions
and displayed in this file box.

M.A.N.L.S (Europe / Revolution) (2017)
Calum F. Kerr
55 x 34 x 6 cm (Caixa de arquivo)
21 x 29.7 cm (Interior)
Impressão a laser a partir de desenho original

Instrução:
Retire uma cópia do desenho de Mário Soares. Pode colori-lo adicionar desenhos ou escrever mensagens. O ideal é que a sua contribuição esteja relacionada com os seus sentimentos e pensamentos sobre a "Europa" e o conceito de "Revolução". Quando terminar coloque a folha na bandeja à esquerda. Se fizer questão de levar a folha consigo, envie uma foto da sua intervenção no desenho para: europe.revolutionary@gmail.com
A publicação final será constituída pelo total das contribuições e exposta nesta caixa de arquivo.

LD-casa-artes-59
Fragilidade (2017) Susana Paiva Colecção Ser fotógrafa Volume 1 Tiragem limitada a 50 exemplares Editora Huggly Books “Huggly Books é um projecto editorial singular que pretende reinventar a função do livro, bem como o papel dos seus leitores/fruidores. A sua primeira colecção - a Black Scrapbook Editions - encerra o desafio de apropriação da obra impressa, fazendo dos seus leitores criadores e, consequentemente, co-autores da obra final. Os HUGGLY BOOKS são, como tal, obras únicas, impressas numa tiragem limitada a 100 exemplares, que encerram a possibilidade de no final se materializarem em 100 obras absolutamente distintas, de acordo com a intervenção de cada um dos seus co-criadores.
LD-casa-artes-58
Huggly books não é uma editora convencional mas um projecto editorial que publica livros de fotografia personalizáveis, onde é possível escrever, desenhar, pintar e fazer colagens. Há quem diga que os livros da Huggly books são feios mas nós acreditamos que têm o charme, a candura e a humanidade do Olhar de quem os adquire. Todos os huggly books, depois de personalizados, têm um lugar especial de publicação na página online da editora. Adquira o seu livro, personalize-o e depois digitalize ou fotografe a sua obra e envie-nos os ficheiros para que nós tratamos do resto. Obrigada por nos ajudar a criar mentes irrequietas.”
LD-casa-artes-21
OF RICHES & RAGS – a reading of the Financial Times (2017) Mireile Ribiere Limited edition loose-leaf book with wrapping (21 x 28 cm) Laser printed on 150gsm paper and 300gsm card 21 x 28 cm Prova de autor (Edição limitada de 23 cópias) Livro de folhas soltas com dobra. Impressão laser sobre papel com150gr e sobre cartão com 300gr Cores
LD-casa-artes-23
The Financial Times was chosen because of its distinctive orange-pink colour,which has become emblematic of financial news worldwide. The title of the book refers to the different meanings of the word ‘rag’, which is used in English to describe newspapers, as well as cloth and garments. It also plays upon the much-used phrase ‘from rags to riches’– that is, the transition ‘from extreme poverty to great wealth’.
LD-casa-artes-22
One of the characteristics of newsprint is its semi-transparency: there is always the chance that pictures and text printed on one side of the paper will show through and interfere with the matter overleaf. Thus when a newspaper is held to the light, text or images, printed on different sides of the sheet, sometimes collide, complement, undermine, cancel out or offer some chance counterpoint to one another, creating unexpected meanings. This work explores those serendipitous moments through the medium of photography.
 The Book Dispersed exhibition, Casa das Artes Porto
Calendiarios (2017) Andreia Alves de Oliveira Volumes: 11 Paginas: variavel Tamanho: 42 x 29.7 cm Laser printing River Boats & Inner Thoughts is a calendiary of the boats navigating the Thames and subjective, psychological states. Issued daily in digital format using the online platform Facebook, it is a work about surveillance (of exterior life and of the self), about the river Thames and its current role in the city, about the relationship between outside and inside. Its scripto-visual form expands on traditional documentary strategies and proposes a comment on the use of social media. The work is exhibited scattered through the varied spaces of Casa das Artes and Sput&Nik as if in use by its occupiers.
LD-casa-artes-63
Tensions (2017) Kim Svensson Edition of eighty 28 pages. Bound, numbered and signed by hand. 21 x 14,5 cm 80 exemplares (edição em inglês) 28 páginas Dobrado, numerado e assinado à mão. A textual exercise constructed by short, fragmentary notes taken from travel journals that is conjoined by footnotes based on literary terms and definitions of ”drama” found in dictionaries. The footnotes comment on the stylistic structure of the notes; enlightening the reader ́s relationship to the text, applying dramaturgy and how the text possibly could continue. The pages can be seen as surfaces of deleted text or a projection-surface for an image, as well as lending the reader opportunities to apply further text. The book conveys to a story of fictional character, as well as it reflects on itself.
LD-casa-artes-62
LD-casa-artes-61
fe et ex – Made and Published (2012-2017) Lara Gonzalez Seven publications loosely bound in a handmade concertina edition. Concertina: 60gsm tracing paper, recycled cardboard, bookbinding waxed thread. Photozines: Black and White laser print on 90gsm white paper Published and designed by Made and Published Edition 3:3 fe et ex is a self-reflective project on self-publishing, it works materially with ideas about the meaning of producing physical publications in a digital age. fe et ex is an online platform where photozines can be downloaded for free. The site offers instruction on binding as a further way of engagement with such materiality. It also draws on DIY, low tech means of production and distribution as a way of expression. Both versions, online and as a concertina book, work as an archive and display of photozines - which also work as archives and displays themselves. This edition consists of seven physical publications loosely bound in a handmade concertina edition.
LD-casa-artes-24
Illuminated Books The Color Books series by Isabel Baraona (2017) Catarina F. Cardoso 21 x 29.7 cm (aproximado) Cópia digital sobre papel In this essay, I will briefly highlight some aspects of a collection of books by Isabel Baraona. She calls this collection the Color Books series because each of the five books that constitute it has a color as unifying feature and is titled after that color. The unifying theme of the books, however, is not color but empowerment, self-awareness and affirmation
LD-casa-artes-45
Cartas de amor (2013-2017) Isabel Baraona Postais de Autor “Em 2013 iniciei um projecto de postais, genericamente intitulado Cartas de amor. Trata-se de um trabalho onde se entrelaça o interesse por múltiplos, novas formas de edição de autor (nomeadamente livros de artista) e uma vertente subtil de performance. Estes postais não se encontram disponíveis para venda, são enviados via CTT a uma lista heterogénea de artistas, coleccionadores, colegas professores, amigos, entre outras pessoas, nem sempre ligadas ao meio artístico, que nos últimos anos se interessam pelo meu trabalho. São imagens (pouco editadas) do que vejo de janelas ou portas de espaços onde vivi (mesmo que por pouco tempo). Colecciono palavras e escrevo fragmentos de texto; vou reduzindo as ideias a um parágrafo, a poucas frases ou mesmo a um breve núcleo de palavras. Algumas frases são propositadamente patéticas, como são muitas vezes as cartas de amor,” Isabel Baraona.
LD-casa-artes-28
CODEX THYSIA – EXERCÍCIO ESPECULATIVO (2012) José Oliveira 38 páginas Exemplar único
LD-casa-artes-27
CAPA: cartão revestido a papel manual, com gravação de folha de árvore em baixo relevo (fóssil), título em acrílico e lombada a veludo com estrias verticais revestidas a acrílico. MIOLO: guardas revestidas a papel manual, páginas fabricadas a papel manual fino (p/ aguarela), com aplicação de spray, carvão, colagem, letra Mecanorma, recorte, e sacos em algodão fino creme translúcido (na parte superior) e sarja de algodão castanha (na parte inferior), com frase impressa a serigrafia. SACO: Linho azul com dois botões em ferro, cada um com a representação de um veado. Fecho com fita de algodão creme. 41,5 x 63 cm (aprox.).
LD-casa-artes-26
“Remetendo para um ritual sacrificial da Grécia Antiga (sec’s V e VII antes de Cristo), este livro assume e toma como seu esse rito (literalmente: “deitar fogo para os deuses”), e constrói-se nesse pressuposto, o qual, consequentemente, apenas nos permite especular, dada a sua extrema antiguidade. Tentei, assim, elaborar um objecto visual contemporâneo que remetesse para e ilustrasse essas práticas da primitiva devoção. “ José Oliveira
LD-casa-artes-4
LD-casa-artes-56
PRAELUDERE in Porto / " for The book dispersed" (2017) PRAELUDERE in London - The Southbank centre Saison Poetry library (2015) Emmanuelle Waeckerle edition of 90, A4, 8 pages, soft cover, hand stitched, digital print on Munken 160 grs, cover Canson mi-teintes 160 grs in 6 different colors. edition of 90, Size A4, 20 pages, soft cover, unbound, digital print on 100 gr office paper.
LD-casa-artes-57
PRAELUDERE (ballades form the 20th century) is an artist publication of visual poetry. It consists of four verbal scores that can be activated inside or outside, sitting, standing or walking, alone or with others, as a way of experiencing a place. Once brought into the landscape (the words on) the page soaks in what there is to see / hear / feel.
LD-casa-artes-54
It is in that process of mise en abime of the text with its surroundings that one may encounter the unexpected and the extraordinary, as one is gradually being/feeling more absorbed. PRAELUDERE in London - What remains from each location are a few sounds, images, words, drawings; so many traces that translates on paper some of the experience of being there; new pages for eyes and mind to roam. The publication is unbound. The lose folded spreads inside the covers can be rearranged into new configuration of the graphic, textual and visual material.
LD-casa-artes-20
Train Stations from Vienna to Istanbul in Alphabetical Order (2014) Tania Lajetic 10,4 x 15 cm 300 exemplares 48 páginas Capa mole Impressão offset “No trajeto ferroviário entre Viena e Istambul existe um lugar chamado Biser. Esta vila búlgara é um dos poucos lugares com imagens no Google Street View. Eu gosto do nome. Na maioria das línguas eslavas do sul, biser significa pérola. Eu não sei por que é que este lugar tem este nome, porque parece ser exatamente o oposto de uma pérola brilhante. Pode, contudo, ser semelhante às conchas robustas nas quais as pérolas crescem. O trajeto ferroviário de Viena para Istambul também pode ser uma concha, e se este for o caso, eu já encontrei minha pérola (biser).” Tania Lajetic
LD-casa-artes-55
Life Writing NY Nine Eleven (2016) Ana Alvim Photobook, leporello 15x15 cm fechado Departing from art historian Aby Warburg panels and constructed documentary and biographical micro-narratives, the leporello book works not only with the images but also with the spatio-temporal intervals between them. These images are constituted as a present history that make present the past and allow an iconographic system to be read in the present. ‘I tried to expand the concept of the book and make the transition from two-dimensional to three-dimensional photographic image of itself, questioning the visual representation possibilities of photography itself.’ The result is a book object, exploring the limits of photographic representation.
LD-casa-artes-53
Hitch Hike US (2016) Stanislav Brisa 16.5 x 21.5 cm 95 pages 108 photos Capa dura em tela com relevo Graphic design and typography: Petr Mazoch 16,5x21,5 cm canvas hardcover with embossing 95 pages, 108 photos BFLMPSVZ Publishing Hitchhike US is a photography book which narrates an intimate relationship between two close friends – Stanislav and H. She is his best friend who has been suffering from an eating disorder for over 15 years, and her journey to her imagined USA is not just a romantic holiday but rather a hopeless attempt to escape the clutches of her struggle. Their personal journey took place far from their homeland, alongside their adventurous trip across the USA, inspired by cliché of American dream, Hollywood films or beat and hippie generation. They were hitchhiking, eating wild mushrooms and sleeping under the sky, gorging in McDonalds and occasionally sleeping in cheap motels. They met loads of weirdos and generous people who offered them a lift, food, money, shelter or even bed in their house. Their journey resulted in the loss of illusions and preconceptions, but with the gain of cognition about not only the American society but also themselves. And the diary logged throughout the journey was afterwards rewritten into a number of poems which gives reader further context about their experience.
LD-casa-artes-52
no man is as island #9 (2012) Manuela São Simão marcador sobre capa de livro sobre papel de parede 24x30 cm Uma ilha não se limita a si própria “Por definição um território para ser considerado uma ilha, deve ser uma porção de terra rodeada por água. Um território isolado. A sua configuração depende diretamente da morfologia das suas margens, afinal uma linha circundante. Ora, esta linha, esta configuração, não se traduz apenas numa caraterização bidimensional que, no sentido figurado, define algo que se encontra totalmente isolado e incomunicável. Também o ser humano nunca está completo sem o outro, pois a sua relação com o mundo é continuamente transformada. Assim, as linhas que definem a sua configuração devem ser consideradas, por excelência, como espaço fronteiriço de relação e hipóteses múltiplas. Esse espaço fronteiriço, a linha, apresenta-se como espaço tensionado que lateja, se reinventa, se movimenta e procura a sua identidade. Nos desenhos da Manuela São Simão "No man is a Island" ("Nenhum Homem é uma ilha"), somos confrontados com uma referência a John Donne que reforça a ideia de busca de identidade enquanto possibilidade que se estabelece nas relações entre identidade e alteridade. Os seus desenhos apresentam-se como cartografias, não de espaços delimitados por uma linha, que enquanto fronteira estabelecida é imutável, mas sim como possibilidade de afirmação da diferença. Estas linhas, nestes desenhos, abrigam a diferença e a faculdade orgânica da identidade se constituir como lugar de acolhimento do outro. Quiçá incorporam uma bio-grafia da artista, onde a sua identidade-ilha, abarca esse espaço entre, enquanto metamorfose e metáfora do mar atlântico que separa o lugar onde nasceu, daquele onde vive.” João Baeta
LD-casa-artes-47
Livro Disperso — VII. IC / CB 2012 - 2017 Isabel Carvalho 176 x 250 cm 7 Gravuras sobre acrílico “Este texto – gravado em sete placas acrílicas - foi escrito no verão de 2012, em Lisboa, num apartamento de uma amiga, emprestado por uma semana, enquanto estava à venda através de uma imobiliária. Foi escrito a lápis e, à chegada ao Porto, passado a computador. Depois, foi enviado por email a duas pessoas amigas para que me dessem a sua opinião e eu tivesse a oportunidade de o continuar. Uma das destinatárias (em boa verdade, para quem o tinha começado a escrever porque me tinha pedido, uns meses antes, um texto para ilustrar) respondeu, também por e-mail, prometendo começar a fazer alguns esboços a partir do texto. A outra destinatária, cuja relação com a existência deste texto é mais difícil de explicar, simplesmente acusou a sua receção. Neste verão, de 2017, a caixa de correio eletrónico ficou cheia e precisei de libertar espaço. Apaguei muitos e-mails, posteriores a 2009, que tivessem documentos anexados, sem reparar quais eram os mais pesados. Na mesma altura, estava a ler um autor português, que tinha acabado de conhecer pessoalmente, cuja obra, por alguma razão, tem vindo a passar debaixo do radar. Apesar do seu percurso se manter ativo e a sua obra presente e acessível, tem tido pouca visbilidade. Procurei o e-mail que tinha enviado, em 2012, às duas destinatárias referidas e reenviei-lho com o cuidado de o advertir de que não tinha, conscientemente, qualquer outra intenção do que apenas lhe mostrar um texto em que estabelecera um conjunto de relações com o que tinha lido da sua obra. Nessa época, estava em Frankfurt, no apartamento de uma outra amiga, que se encontrava ausente num casamento na Letónia, a tentar retomar, num bloco, a lápis, o mesmo género de escrita. Foi, então, que chegou a resposta do que eu entendi ser um convite para publicar parcialmente o meu texto numa revista “quando houvesse oportunidade”, embora tal pudesse demorar algum tempo. Entretanto, entre Porto e Frankfurt e entre emails trocados com o autor, tinha já proposto a apresentação do texto à segunda destinatária para que o utilizasse numa exposição sobre o tema do livro disperso. O que escrevi neste verão resultou em algo apenas ligeiramente diferente do que agora se lê e vê aqui exposto, mas muito incompleto, como se a necessidade de síntese fosse maior passados cinco anos. Curiosamente, não enviei nenhum e-mail à amiga que o iria ilustrar – ainda que tivesse pensado nisso muitas vezes. No regresso ao Porto, respondi ao autor a agradecer o convite (se é que o tinha entendido bem...), mas que teríamos de conversar um pouco mais para ambos percebermos se faria, e se ainda faz, sentido publicar em papel. Este texto (que este texto apresenta) é como um pedaço de plástico que foi atirado ao mar ainda inteiro e que, depois de uma série de movimentos, chega, por um acaso, à costa com as arestas limadas. Se o voltar a deixar lá, no mar, virá certamente transformado uma e outra vez, sem fim. Reparo então que dependo destes movimentos (dispersos) e que apenas o mito da (minha) autossuficiente me inibe de encontrar melhores achados.” Isabel Carvalho
LD-sput&nik-13
To enter (2016) Inês M. Ferreira VII Capítulos. Papel impresso a jacto de tinta e a lazer Caixa feita á mão, em cartão forrada a pano de livro
LD-sput&nik-2
'Entrar' é uma exploração microscópica do papel, o material mais comum com que se faz livros. Percorrendo as profundezas de diferentes tipos de papel e as suas paisagens internas, os materiais com que se faz um livro estão também visíveis, como se o livro se tivesse virado do avesso e podessemos ver na sua profundidade. Uma viagem ao mundo das coisas invisíveis mas que se tocam, os electrões do microscópio tocam a superfice da amostra do papel, para se dispersarem e formarem as imagens que podemos ver no livro.”
LD-sput&nik-4
Diário do Espacialista (2017) Os Espacialistas 14 X 2,3 X 21 cm Livro 374 pág. editado a 26 de fevereiro 2017. "Julgamos que o Diário do Espacialista, que é a nossa publicação manifesto em papel e simultaneamente suporte / apresentação de cada um dos projectos que vamos realizando se enquadra no conceito da exposição. O Diário do Espacialista que editamos em cada novo projecto tem a estrutura / imagem gráfica do Diário da República que deixou de existir em papel e passou a apenas a estar disponível on-line na altura em começamos o projecto "Os Espacialistas". Foi essa a nossa provocação, fazer aparecer a cada novo projecto espacialista a sua memória táctil e política com todas as suas outras camadas de sentido(s) resultantes do quotidiano artístico que todos nós podemos levar a cabo." Luís Maria Baptista
LD-casa-artes-41
Diário do Espacialista (2017) Os Espacialistas 22 x 15 x 30 cm (caixa) 21 x 29,7 cm (fascículo) Arquivo editado a 24 de setembro 2017. Cópia digital de 37 fascículos (número de páginas variável). Caixa cartonada de arquivo branca. "Julgamos que o Diário do Espacialista, que é a nossa publicação manifesto em papel e simultaneamente suporte / apresentação de cada um dos projectos que vamos realizando se enquadra no conceito da exposição. O Diário do Espacialista que editamos em cada novo projecto tem a estrutura / imagem gráfica do Diário da República que deixou de existir em papel e passou a apenas a estar disponível on-line na altura em começamos o projecto "Os Espacialistas". Foi essa a nossa provocação, fazer aparecer a cada novo projecto espacialista a sua memória táctil e política com todas as suas outras camadas de sentido(s) resultantes do quotidiano artístico que todos nós podemos levar a cabo." Luís Maria Baptista
The Beauties of DECOMPOSITION, exhibition views, O Livro Disperso/ The Book Dispersed, Casa das Artes + Sput&Nik the Window, Porto
The Beauties of Decomposition, displayed In bibliographical, historical, and descriptive pulp, interspersed with anecdotes of the arts (2017) paula roush & Michael Hampton Unique handmade paper specimen 24x19cm. Three laser printed books: 1.Decomposition: stapled colour 21x15cm, 40 pages, evercolor 80gsm. 2. Scanned record of paper specimens: b&w #1-12, 27x19.5cm, corona offset 120gsm. 3. “thanks for the information and good news”: scanned b&w letters bound by a brass cylinder post: 18.5x17cm. Colour photograph on gloss paper: 15x10.5cm. Concept-specific paper is a refined substrate in the world of the artists’ book. The logic of the work is materially inscribed in the fibres of handmade paper. In the case of The Beauties of Decomposition the paper’s meaning is associated with the Book Dispersed project. Composed of pulp from the abortive funding application for ‘The Book Dispersed’ an exhibition devised by the collective Media Instaveis/Unstable Media, blended with pulp from Michael Hampton’s magnum opus Unshelfmarked: Reconceiving the artist’s book (author’s copy), together with extra pulp from Samuel Smiles’s Self- Help (a print on demand copy purchased on eBay). Here, in Chapter VI entitled ‘Workers in Art’, we found words to inspire us: to “ force our way upward in the face of poverty and manifold obstructions.” The book, dedicated to the late Auto-Destructive artist and activist Gustav Metzger, is a work about dispersion where scattering is inlaid with collecting/organising. Book 1. Essay, cartoon, documentary photographs, various inserts. A look at the studio working process, placing it in a continuum with other self-published books. Book 2. Images of handmade paper specimens -verso and recto- viewing them as a series. Since they will be dispersed, each original specimen is included in one copy of the edition of 12. Book 3. Contains letters sent by Gustav to Michael by Royal Mail Post (always first class), mostly trying to arrange meet-ups at specific galleries to see exhibitions, and participate in symposia or other art events. Foil-stamped grey board box: 32x23cm. Certificate of authenticity signed by the authors. First edition of 12 copies. msdm publications
LD-sput&nik-1
The Beauties of Decomposition, paula roush & Michael Hampton
LD-sput&nik-8
front The Beauties of Decomposition(2017) paula roush & Michael Hampton back Pimping my Ride (2017) Eugénia Mussa, Installation view The Book Dispersed exhibition
LD-casa-artes-43
Lava Walks (2015) Teresa Huertas 16 x 22cm Fotografia Realizado na Islândia, Lava Walks é um trabalho fotográfico sobre a experiência do lugar. Teresa Huertas utiliza o seu corpo, enquanto instrumento performativo, para desenvolver acções que interagem com a morfologia da paisagem, encarada como ideal estético e simultaneamente cenário ilusório. O livro materializa o conceito serial do trabalho, que teve a curadoria de Emília Tavares e foi apresentado no Museu Municipal Santos Rocha (2014), Espaço Llansol (2013) e Centro de Artes de Sines (2012).
LD-casa-artes-42
LD-casa-artes-34
Election (2016) Beatriz Albuquerque Edição de Louffa Press, NY 7.5 x 7.5 cm 1 folha de papel queimado dobrado 1 caixa de poliactite não tóxica. Edição 16 + 2 P.A. Assinada pela artista. Uma resposta às recentes eleições nos Estados Unidos e a desconstrução da retorica associada nas respostas populares e dos média.
LD-casa-artes-13
Vol. 3 Indícios de uma vida anterior (2017) Eduardo Sousa Ribeiro 33 x 48,8 cm (aberto) 16 x 12,2 cm (fechado) 40 exemplares numerados Impressão digital sobre papel Munken Lyns 130 gr Vol. 3 faz parte de uma coleção que tem como definido o uso da fotografia e de uma folha de papel, que se torna livro e cartaz simultaneamente. Como indefinido tem o número de volumes a serem publicados assim como a sua periodicidade.
LD-casa-artes-14
Vol. 3 Indícios de uma vida anterior (2017) Eduardo Sousa Ribeiro
LD-casa-artes-31
Vol. 3 Indícios de uma vida anterior (2017) Eduardo Sousa Ribeiro
LD-casa-artes-50
East London Stripper Collective (2014-17) Julie Cook The East London Stripper Collective (ELSC) is a collaborative book project that evidences the activism of a group of six women, juxtaposing this with the language of photographic portraiture and performance within an East London warehouse awaiting demolition and redevelopment. In this setting these representations and re-representations within a series of six books challenge the notion of ‘progress’ in many ways. The content includes not just portraiture, but evidence of social media as a site for participation, communication and public event organisation - challenging the stigma of stereotype that dogs the perception of this industry. Book Project (series of 6) 21 x 29.7 cm cada com número de páginas variável
LD-casa-artes-38
The work is important in the context of the growth of public erotic entertainment for both men and women and the dichotomy of living in a culture where public nudity is encouraged commercially on the one hand, but venally criticized on the other. Striptease culture crucially supports amateurs; encouraging the performance of sexuality and engaging with the complexities of voyeurism. It is a space for the public to see imperfection, not the smooth skinned, digitally edited model. It is also important in the consideration of the city and its power structures. Ana Lopes has suggested that women in the industry are often judged by society as passive victims, drug addicts or bimbos. This stigmatisation and censorship originated from legislation , specifically in 1953, when Lord Chamberlain banned ‘any performance commonly known as striptease’. The Labour Government lifted these restrictions in 1968, with pubs and clubs licensed by local authorities. The pubs and clubs agree to each council’s regulations, but there is generally no stipulation on dancers facilities, just rules on the ‘encounter’. These laws have continued to develop and calibrate the industry but many of those working within worry that it is being increasingly, and half-wittedly, associated with acts of sexual violence. This has been seen as a move towards criminalising striptease even given its long and vibrant tradition.
LD-casa-artes-60
Estación Terrena (2012) Paulo Catrica Design VivóEusébio 72 pags. 31 x 24 cms Impressão digital Guide Artes Gráficas Edição de Autor Very rarely a place merges so much contradictory facets, where the utterly beauty natural sights and animal life contrasts with the harshness of its living conditions, potable water is a scarce item. An eclectic population, mostly coming from the different provinces of Continental Ecuador feed my work in a truly earnest sense, everyone talked openly about the life at the islands with enthusiasm. At the Galapagos Archipelago I worked in Puerto Ayora, Santa Cruz and Puerto Baquerizo Moreno in San Cristobal the main urban settlements. I extended the research to the small rural villages of the higher parts of those islands, known as ‘la parte alta’. All this chosen territories are located outside the limits and the jurisdiction of the Galapagos National Park.
LD-casa-artes-51
Servir, Informar, Proteger (2016) Ana Fonseca 14.8 x 21 cm 2 Fotozines “Servir Informar Proteger é um projecto artístico sobre a minha experiência como assistente de exposição no museu Berardo. Trabalhar como assistente de exposição deu-me uma visão mais abrangente sobre a percepção da arte por parte do público e o funcionamento de uma instituição artística de arte moderna e contemporânea. O assistente de exposições está na charneira entre o exterior e o interior do museu. De fora para dentro, é o agente de interacção entre o público e o museu. De dentro para fora, está no fundo da cadeia alimentar e observa a dinâmica interna dos diferentes departamentos. O assistente de exposição tem contacto com todos os departamentos mas sempre com um distanciamento. Sem qualquer poder ou responsabilidade, para além de Servir Informar Proteger , nunca é visto como ameaça ou desconfiança, o que confere uma liberdade e leveza únicas dentro da estrutura. Da sua “torre de observação” diariamente vivencia os comportamentos dos visitantes dentro do museu, como percorrem o espaço expositivo e as interacções com as obras de arte. Muitas crenças e mitos que eu tinha sobre a forma como o público vê a arte foram desfeitos, o que é uma verdadeira lição de vida para um artista.”
LD-casa-artes-35
Objecto Objecto Objecto (2016) Fernando Marante 21x15cm 50 exemplares, numerados e assinados 68 páginas Impressão Jacto de Tinta s/ papeis variados
LD-casa-artes-48
“O livro, Objecto Objecto Objecto, de Fernando Marante, é uma edição de autor limitada, que se reflecte a si próprio, enquanto objecto de uma experiência singular de desdobramento e multiplicação de sentidos. A lógica presente nesta obra centra-se na auto-referencialidade de um livro-objecto que se auto-representa, como sujeito activo de uma reinvenção infinita que se materializa folha a folha. As imagens que o compõem vêm do trabalho Heterotipias, realizado pelo artista, e por ele recompostas e retrabalhadas, para se desenvolverem num todo deshierarquizado, que se objectiva ou subjectiva, à medida de cada olhar. Cada olhar pode então percorrer este invulgar objecto-livro, ou livro-objecto, à sua vontade e direcção, como uma descoberta incessante e altamente lúdica”. Carlota Gonçalves
LD-casa-artes-33
Performance (2015) Atmosphere (2015) Hidden (2015) Sara Rocio 21 x 21 cm (fechado) 3 livros feitos à mão, fotografia analógica.
LD-casa-artes-32
“Performance Mergulho no silêncio. Procuro a natureza que liga e separa... a luz que desfaz... as paisagens nos retalhos. O limite da compreensão quando nos é retirado o referencial. O esperar que o imaginário opere. Podia fazer um livro só com uma imagem, há imagens a mais. E encaminhar a leitura numa breve performance de olhar. Este livro é um palco negro e no centro dois corpos. A atmosfera reflecte uma certa tonalidade, que transcende a zona mais visível e dizível, retém forças internas e cria campos energéticos, emana a essência do estado das coisas. Neste pequeno livro, para além de um certo pesar atmosférico, há paralelamente, uma leveza estranha, que se prende à imaterialidade. Hidden Apago partes das imagens de forma a que se vejam melhor. Deixo que o erro actue, desfaça e dilua as fotografias em subtis sensações. Por vezes cubro-as de uma leve névoa branca acrílica, ou retalho-as e formo novas composições. Vejo as minhas fotografias pelo avesso. As palavras são como cristais, fragmentam-se em imagens. Varro à passagem os lugares, quase todos têm nome, identifico-os no meu mapa, e retorno. O corpo é uma caixa estranha. O preto e branco, o tempo perdido, os borrões e partículas parasitas nas imagens. Gosto de sítios terminais, de objectos deixados para trás, despossuídos. Atrai-me a Incongruência.” Susana Roccio
LD-casa-artes-49
Invasive Species (2013) Catarina Leitão 16,5 x 1,5 x 9 cm Flip book em papel Fotografias de Luisa Ferreira “Invasive Species – Flip Book é um protótipo para um livro concebido a partir de uma instalação/livro com título Invasive Species. Uma caixa contém um conjunto de desenhos em estrutura de harmónio e funciona como um livro gigante. Quando a peça é instalada ocupa o espaço e o espectador pode circular pelo meio das páginas. As folhas de papel, pintadas a aguarela e tinta sumi, têm aberturas e possibilitam a transformação das vistas pela movimentação do corpo e mudanças de pontos de vista. Um vídeo montado numa pequena caixa descreve a performance do folhear das páginas quando em “estado livro”. O título da obra faz referência às espécies invasoras na cidade. A vegetação que cresce descontrolada e que não se deixa domesticar,” Catarina Leitão.
LD-casa-artes-20
Train Stations from Vienna to Istanbul in Alphabetical Order (2014) Tania Lajetic 10,4 x 15 cm 300 exemplares 48 páginas Capa mole Impressão offset “No trajeto ferroviário entre Viena e Istambul existe um lugar chamado Biser. Esta vila búlgara é um dos poucos lugares com imagens no Google Street View. Eu gosto do nome. Na maioria das línguas eslavas do sul, biser significa pérola. Eu não sei por que é que este lugar tem este nome, porque parece ser exatamente o oposto de uma pérola brilhante. Pode, contudo, ser semelhante às conchas robustas nas quais as pérolas crescem. O trajeto ferroviário de Viena para Istambul também pode ser uma concha, e se este for o caso, eu já encontrei minha pérola (biser).” Tania Lajetic
LD-casa-artes-18
Train Stations from Vienna to Istanbul in Alphabetical Order (2014) Tania Lajetic
LD-casa-artes-19
Twentysix Stages of Erection (2014) Dejan Habicht 17 x 11.5 cm 28 páginas 100 exemplares Capa mole, Encadernação: cosido com fio. Impressão digital Cores 28 pages 17 x 11.5 cm. Paperback, Stitch Bound Digital Printing. Color Edition of 100 Zavod P.A.R.A.S.I.T.E. 26 is a significant number in the history of artists books. Erection, in this case, refers to the phrase “to erect a monument”. Photos are taken on the well known gay spot on the Adriatic coast in Croatian Istria. our usual place to bath for the last 40 years.
LD-casa-artes-17
Nine tanks (and some blank pages) of Brasil was published in parallel to the research and exhibition project The SP Files. Tadej Pogača was MIT Kepes Fellow in 2012-2013. With a group of artists/students and scholars, he formed a working group that researched and reconstructed the project that György Kepes (the director and founder of the former Centre for Advanced Visual Studies –CAVS- at the MIT) prepared for the United States presentation at the São Paulo Biennial (SP) in 1969. Kepes had envisioned an environment that would deliver a synergetic experience of the “most advanced” US contemporary art of the time. The military regime had come to power in Brasil in 1964 after a coup d’etat against the leftist president João Goulart. In 1968 the Institutional Act #5 was passed with the consequence that political and civil rights were gradually suspended and torture sanctioned. The US Department of State had embraced a strong anticommunist agenda in its Latin American foreign policy, paying much attention to Brasil. Nine of the participants (among them Robert Smithson, Jack Burnham, and Hans Haacke) withdrew their participation in the exhibition in protest against the military regime in Brazil and the exhibition was eventually canceled. The boycott of the SP biennials was not lifted until a decade after, in 1979, when the Brazilian government granted amnesty to political prisoners. The book Nine tanks (and some blank pages) of Brasil brings together images of military regime’s activity soon after the Institutional Act #5 was implemented throughout Brasil.
LD-casa-artes-16
Nine tanks (and some blank pages) of Brasil (2017) Tadej Pogačar offset print, 48 pp, 24 cm x 16,9 cm 24 x 16,9 cm 60 exemplares 48 páginas Impressão em offset sobre papel.
LD-casa-artes-15
Stay High (2017) Stanislav Brisa 15 x 20 cm 14 páginas Impressão laser Cores Photos and design by Stanislav Briza Series related to East London raves, house parties and underground club scene. I´m exploring new visual strategies by using early digital compact cameras with very low resolution from 0.3 up to 2.1 Megapixels. I shoot almost in the darkness and retrieve details from the very deep shadows, revealing strong jpeg compression, dead pixels or even dead lines of pixels and first of all massive digital noise. Every camera I use has its own look and character. It is interesting parallel to analog photography and various types of films.
LD-casa-artes-9
In Medias Res (2017) Jessica Brouder 29.7 x 86 cm 25 exemplares Dobra em concertina de colagens fotocopiadas, texteia e outros objectos. In Medias Res is a collection of photocopied collages, textiles and other object based work (pressed ink on plastic, paint on PVC palette, etc.). Some of the textile imagery comes from photocopies that were scanned and printed onto cotton jersey and photocopied again. The book making process is an important part of my practice. In translating from paper to textile and back again the materials and processes change the motifs, enlarging, sometimes abstracting them. Layering images using a photocopier allows for chance compositions and narratives. The accordion format echoes current experiments in textile pleating.
LD-casa-artes-8
In Medias Res (2017) Jessica Brouder
LD-casa-artes-46
Caixa da Lei de Ohm (2014) Filipa Valladares e Maria do Mar Fazenda 21 x 29.7 cm (aproximado) edição em caixa, com tiragem de 150 exemplares, que reúne num arquivo portátil os múltiplos criados por cinco artistas (André Cepeda, João Paulo Serafim, Margarida Correia, Renato Ferrão e Susana Gaudêncio) A lei de ohm, enunciada em 1827 por Georg Simon Ohm, estabelece que a resistência com que a corrente elétrica percorre um condutor de eletricidade depende da diferença de potencial e da intensidade de corrente elétrica que passa no condutor. Assim, quanto maior a resistência de um material à eletricidade, menor corrente elétrica passa para uma mesma tensão. A relação entre a resistência, a tensão e a intensidade de corrente elétrica, num condutor ideal, é linear, caso a temperatura não varie. A caixa da Lei de Ohm reúne as obras produzidas pelos artistas André Cepeda, João Paulo Serafim, Margarida Correia, Renato Ferrão e Susana Gaudêncio no âmbito de uma residência/exposição "Lei de Ohm" realizada no Museu da Eletricidade de Lisboa em 2014 com curadoria de Filipa Valladares e Maria do Mar Fazenda.
LD-casa-artes-10
Serra da Ermida 357 (2016) Daniela de Moraes 20x20cm 30 páginas com insertos. Em 1990 o Brasil sofreu o impacto de um pacote económico que consistiu no confisco das aplicações bancárias da população, denominado Plano Collor. As suas medidas abusivas abalaram a sociedade, faliram famílias e empresários, levando várias pessoas ao suicídio. Abordando questões sobre vida e morte, tragicidade e afetividades, este projeto desdobra-se numa trilogia em formato de livro. No primeiro volume, Daniela de Moraes refaz o caminho trilhado pelo avô do seu filho, representando subjetivamente o local onde ele se suicidou. Dessas imagens desprendem-se potentes símbolos, propícios para especular sobre as incertezas que rondam as decisões tomadas ao longo da vida. Num segundo momento, a artista intervém em imagens do álbum de família do personagem central desta história, reconstruindo cronologicamente a sua trajetória da infância à vida adulta. No final, um encarte reedita imagens e notícias de jornais de 1990, contextualizando o momento sócio-político da época, um dos mais surreais e traumáticos da nossa história.
LD-sput&nik-9
Livro das Folhas (2009) Carla Rebelo Publicação de artista Folhas vegetais e caneta 21 x 1 x 11 cm Exemplar único. "As peças de Carla Rebelo são geradas a partir de histórias que partem da autobiografia. Por norma ou método, é nelas que se apoia para dar sentido à sua criação. Contudo e porque todo o trabalho artístico nasce de uma compulsão, de um impulso incontrolável, há formalizações que se antecipam às histórias conscientes. São peças que se impõem pela necessidade de concretização e cujas histórias ainda estão no plano do porvir, escondidas no silêncio da memória, sem verbalização ou qualquer outra manifestação que não seja a sua concretude plástica." Margarida Prieto
LD-sput&nik-3
Paisagem Portátil (2013) Carla Rebelo Publicação de artista Madeira, espelhos, desenho a caneta 22 x 21,5 x 2 cm Exemplar único.
LD-sput&nik-10
em título (2016) Ana Santos 1 espelho retrovisor 15,5 x 23 cm Exemplar único "O trabalho de Ana Santos desenvolve-se a partir de uma prática diária de encontro e de acumulação de materiais e objectos. Cada objecto, cada material, contém em si mesmo a chave da sua solução: é o exercício da prática que permite testar, escolher, alterar, refazer, rejeitar, até finalmente encontrar a solução. O fazer constitui-se através do exercício e da prática de atelier e opera a partir da relação com os materiais. O pensamento é pragmático, isto é, procura perceber as qualidades intrínsecas ao material e o modo como elas se resolvem no objecto artístico. Primeiro, surge o material e depois a solução. Os materiais não têm uma proveniência fixa, podem vir da rua (objectos encontrados) ou de lojas de materiais de construção. A escolha de material é baseada no seu comportamento físico, e nas possibilidades daquilo que pode ou não fazer. O pensamento especulativo interroga as intenções, as motivações e as decisões que orientam o trabalho e o pensamento operativo constrói a relação com os materiais. Os objectos funcionam não como coisas mas como sinais. Os objectos são evocações da forma: são sinais do pensamento sobre o material. Há uma operação rápida que quer tornar evidente o gesto que a produz." Galeria Quadrado Azul
LD-sput&nik-5
L O Artista, o Meio e a Arte (2017) Pedro Proença 14.8 x 21 cm Publicação de artista 90 pág. "Este livro foi concebido como uma exercitação do autor destinada a clarificar a sua participação na exposição O Livro Disperso tendo escrito boa parte dele a 6 de junho de 2017 ao qual juntou quatro textos anteriores que lhes são afins. Foi paginado no dia seguinte pelo autor em caracteres secretariado incluindo uma fotografia de Pedro Portugal tirada no ano de 1997." Pedro Proença R INSURREIÇÃO ELECTRÓNICA (2017) Rodrigo Vilhena QR CODE Impressão laser sobre papel autocolante. Ao aceder ao código QR, vai direto a uma página na internet com um texto em Português e Inglês do artista. https://sites.google.com/site/invisivelgaleria/home/index/qr-code

 

msdm   is  Mobile  Strategies  of  Display  &   Mediation
 a nomadic House — Studio — Gallery for photographic art
curatorial research, expanded practice of the artist's book
photobook publishing  and peer - to - peer collaborations 

 

by appointment only
please e-mail to schedule a visit
[within a covid safety framework]

paula roush 
founder


paularoush@gmail.com

House—Studio—Gallery
London SE


msdm@msdm.org.uk

school of arts  & creative industries  
london south bank university


roushp@lsbu.org.uk